Danças Irlandesas: Quadrilha Junina brasileira e Set Dance social irlandês têm algo em comum?


by Catherine Kingcome

As festas juninas pipocam no Brasil neste mês de junho. Em homenagem a esse mês de festejos tão queridos para os brasileiros, resolvemos falar um pouco das Set Dances sociais irlandesas.

Você sabia que esse tipo de dança irlandesa compartilha da mesma origem que a quadrilha junina que dançamos no Brasil?

Pois é, a Set Dance social irlandesa e a quadrilha junina brasileira nasceram da mesma dança: a quadrilha francesa, um tipo de dança social que esteve na moda na corte francesa do início do século XIX e que virou febre em todas as demais cortes europeias.


Pra pensar no desenvolvimento destas danças, podemos desenhar a seguinte árvore genealógica:



De acordo com Pat Murphy, um dos mestres modernos e pesquisador das Set Dances sociais irlandesas, as quadrilhas chegaram à Irlanda por volta de 1816.

Na Irlanda, os mestres de dança (Dancing Masters) se apropriaram dessas danças, ajustando-as às melodias e passos usados ​​localmente, e por causa dessa diferenciação e regionalização, a Set Dance social passou a ser uma dança bem diferente de uma quadrilha da corte francesa.

Já no caso do Brasil, a quadrilha chegou primeiro com a corte portuguesa que acompanhava a vinda da família Real em 1808, e mais tarde também com a imigração em massa de europeus (majoritariamente italianos) que buscavam trabalho após a Abolição da Escravatura (1888).

As Set Dances sociais irlandesas são danças “informais”, feitas por grupos de 4 ou 8 pessoas, geralmente casais, dessa forma:



Tradicionalmente, as Set Dances eram dançadas no meio rural e tinham um forte caráter social. A partir da década de 1970, as Sets passaram a acontecer também no meio urbano e incorporaram um aspecto competitivo, além de preservarem suas características originais de socialização.


Os ritmos dançados são bem variados, e os mais comuns são os ritmos mais animados, como polcas, reels, hornpipes, jigs, slides, quadrilhas e mais raramente fling, marcha, single jig and valsa. Os movimentos mais comuns são: Lead around, House, Home, Square e Body. Por ser um estilo mais informal, os dançarinos têm um pouco mais de liberdade podendo, por exemplo, produzir sons com os pés ou não.

https://www.youtube.com/watch?v=hu6BY-pevEo


As Set Dances têm sido transmitidas através dos mestres de dança (antigos e modernos) ou de forma espontânea em situações sociais.



DECLÍNIO


Com o estabelecimento da Liga Gaélica na virada do século XX e com o esforço de se construir uma identidade irlandesa, as Set Dances - por serem informais e de origem rural - passaram a ser desencorajadas por não traduzirem a imagem idealizada que essa elite nacionalista buscava. Se por um lado desencorajaram a Set Dance, por outro, investiram e impulsionaram a Céilí, uma dança sobre a qual falaremos em outro artigo. Os dois tipos de dança são formados por casais, mas a Céilí tem uma forma muito mais estruturada, o que daria a sensação de mais organização e elegância - imagem perfeita para os propósitos da Liga Gaélica.

Mesmo sendo desencorajadas e inclusive discriminadas, as Set Dances estavam tão arraigadas ao espírito comunitário e eram tão parte da vida social, que continuaram a ser dançadas nas comunidades. No entanto, com o Public Dance Halls Act de 1935 (uma lei que determinava a necessidade de licenciamento e que controlava e fiscalizava locais e eventos onde havia dança), as reuniões de dança social foram desarticuladas e muitas das Set Dances foram esquecidas.

A sobrevivência das sets deu-se em regiões que acreditavam conscientemente na importância de manter a tradição (principalmente nos Gaeltachtaí, regiões onde se fala primariamente o irlandês). Os mestres da dança de todos os tempos também foram responsáveis ​​pela preservação dessas danças.



RENASCIMENTO


O interesse pelas Set Dances começou a ressurgir com a fundação da Comhaltas Ceoltóirí Éireann (CCE) em 1951. No entanto, o principal responsável pelo renascimento das Sets foi a implantação de competições da Comhaltas e da GAA (Gaelic Athletic Association) na década de 1970.

Pat Murphy relata em seus livros que quando surgiram as competições, grupos de danças de várias partes do país aderiram, levando suas Sets locais e seu estilo, o que instigou mais e mais dançarinos a resgatarem as Set Dances tradicionais de suas comunidades. Esse movimento de resgate das danças e possibilidade de encontro e compartilhamento com outros grupos revelou uma variedade de Set Dances nunca vista antes na Irlanda. Murphy também diz que o estilo dos dançarinos de Clare (condado na região oeste do país) era muito valorizado. Na década de 70, esse estilo de dança começou a ocorrer nos centros urbanos, o que despertou o interesse de todas as classes sociais. Nos anos 80 e 90, o movimento de Set Dance se expandiu e houve um grande número de oficinas de Set Dance na Irlanda e em outros países. Há registros de danças de set ensinadas na Austrália, Canadá, França, Alemanha, Japão, Rússia, Suíça, Reino Unido e EUA.


A Set Dance é divertida, democrática, congrega e aquece as pessoas, do mesmo jeitinho que as quadrilhas juninas. Desde a primeira vez que a dançamos, nos sentimos bem, como se tivéssemos encontrado um lugar familiar. E você, já dançou quadrilha? Que tal experimentar também as Set Dances?


34 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo